28 abril 2013

Aparições de Maria em Salto, Uruguai


Pintura de Josuéh Lysnel, artista espanhol

Segunda feira, dia  19 de dezembro, quando cheguei à 'Casa de Marias' recebi o seguinte convite: MAINHDRA está chamando a todos para passar o Natal com ela!

Faltavam  apenas 4 dias para o Natal e tinhámos que partir em dois dias.  Na hora decidi dizer sim ao convite. Arrumei rapidamente a mala, com poucas roupas e alguns alimentos, e parti com mais duas pessoas rumo a Aurora, situada em Salto, Uruguay.

Eu já havia estado lá há 22 anos atrás. Durante a longa viagem de quase 10 horas fui lembrando de todos os acontecimentos e pessoas que  já haviam estado lá comigo e refletindo sobre a impermanência da vida e o retorno das lições não aprendidas.
Chegamos à noite e fomos direto para o “hostal” San Nicanor,  próximo a Casa Redención, onde se dariam as aparições de MAINHDRA,  autodenominada MARIA, MADRE DE LA DIVINA  CONCEPCIÓN DE LA TRINIDAD, as quais  aconteceriam nos dias  24, 25 e 26 de dezembro.

Pernoitei  na companhia de  cinco jovens e uma senhora idosa,  pessoas procedentes  do Brasil, Uruguay e Argentina. Quando amanheceu chovia torrencialmente e o frio, por ser dezembro, em pleno verão, era intenso. Tomamos café e o ônibus que nos conduziria para o tão inesperado momento já nos aguardava.
Dia 24 de dezembro, quando os portões se abriram, adentramos  a uma realidade totalmente diferente,  dedicada à oração e cura interior.  Fomos orientadas a seguir até  um auditório amplo. O  piso era a  própria terra em que pisávamos coberta com capins secos.
Havia um círculo de cadeiras, onde fui orientada a ocupar uma delas, localizada ao centro onde deveriam ficar as pessoas que ali estavam pela primeira vez. Antes de iniciarmos, Madre Teresa, uma brasileira  usando  hábito branco, anunciou a programação, que seria oração, cânticos  e depois cada um teria uma tarefa a desempenhar. A Madre foi  listando as tarefas para o dia,  e as pessoas, conforme suas  possibilidades,  iam erguendo o braço, candidatando-se a elas.  Ninguém poderia ficar sem trabalho.

Um aviso foi dado: “ Favor não tirar fotos, nem filmar.  E o silêncio é imperioso!”.  Em seguida,  às 12 hs,  haveria a  sintonia grupal.  Logo em seguida fomos liberadas  e voltamos aos aposentos. Retornaríamos  às 19hs para a preparação da aparição de  MAINHDRA.
Ficamos em uma fila para a procissão luminosa até a Casa de Adoração. Os participantes levavam uma vela,  preparada pelas pessoas  que haviam escolhido a tarefa de confeccioná-las.
À frente da procissão  estavam Madre Chimani, Trigueirinho (escritor e filósofo espiritualista, autor de 77 livros) e os monges.  Completavam-na as pessoas  residentes, as que foram chamadas, ou convidadas pelos amigos e   depois as que já estão neste caminho a mais tempo. Um momento sublime de total conexão cósmica e de plena paz.

Uma grande serpente luminosa se formou em direção ao encontro com  MAINHDRA.
Caminhamos por uma larga calçada de pequenos seixos construída a seu pedido, que nos levou a um espaço que se integrava à natureza, chamado Casa de Adoração.

Os monges, Madre Chimani e Trigueirinho  sentaram-se à frente de uma grande  escultura de MAHINDRA, com um vestido rosa e um manto verde; sobre sua cabeça  uma coroa de 12 estrelas onde está escrita a palavra *M*I*R*N*A*H*E*.  Sob seus pés uma lua quarto crescente e sete rosas cor de rosa.  Pairava sobre  uma nuvem azul. 

Por detrás da escultura  foi pintado um  mural com a imagem de um grande sol projetando  raios de luz dourada, tendo no centro um raio maior em forma de gota,  exatamente na altura de sua cabeça. Às laterais nuvens impressionistas em suaves tons de rosa, azul  e amarelo, perfeita integração de pintura com escultura. Um cenário celestial. Madre Shimani começou a oração através de ‘La Madre Universal’, que depois foi também ofertada em forma de canto,   veículos  de luz que possibilitam a descida de MARIA, MADRE DE LA DIVINA CONCEPCIÓN DE LA TRINIDAD até a Terra. Após esta oração foi cantada a Ave Maria por uma soprano, escolhida pela Virgem. Um delicado toque de sino convidava ao silêncio... A luz se manifestava.
Shimani anunciou: 'Momento de aparición, contemplemos con o corazon'.

Um monge escolhido por  (MAINHDRA seu único interprete) ficou de pé e começou a repetir as palavras que ela falava, as mensagens que queria enviar 'a sus pequeños’ e os pedidos que faria a todos nós.
Não imaginei viver para presenciar um momento tão divino... Momento que, através da fé, formou-se uma grande trilha de luz que unia o Céu  à Terra, através da qual a   DIVINA MÃE  chegava até nós. 

Não existem palavras para falar dessa emoção; o sentimento é de total contemplação, reverência, adoração, amor e gratidão.  Na mensagem  da noite de Natal, entre tantas palavras de amor  à humanidade sofredora,   MAINHDRA  pediu que sua imagem e mensagens fossem divulgadas publicamente para o mundo todo. 

Seguiram-se mais duas aparições e mensagens, no dia 26 pela  manhã, às 11 hs, nosso  último contato com Ela.  Para nossa surpresa Ela  revelou que voltaria mais uma vez, às18 hs do mesmo dia, quando revelaria o que desejava de todos. Cumpriu-se o prometido... Sai para rua, caminhando calmamente embaixo de um manto azul escuro  pintado de estrelas.  
Naquele instante me senti  mais no Céu do que na Terra.
Fiquei pensando sobre o que seria a nova revelação.  
ELA veio  para perdir-nos ajuda. E o monge, em sua descrição, revelou que em seus olhos não haviam as lágrimas que irromperam na primeira aparição...  Havia um sorriso em seu rosto.

Pediu-nos para que seja restaurada a oração da AVE MARIA como a conhecemos, e que todos seus filhos de bom coração orem para ajudá-la a libertar as almas que sofrem.
Retornamos com o compromisso de regressarmos sempre  ao Centro Planetário Aurora porque nos tornarmos contas de um imenso rosário de luz em oração.
Site: www.divinamadre.org

Nenhum comentário: